Skip to Content.
Sympa Menu

gnl - Re: O que é Web3 e como ela mudará a maneira como usamos a Internet?

gnl AT framalistes.org

Subject: GNU // Linux // Software Livre // Privacidade // Segurança // Linha de comandos

List archive

Re: O que é Web3 e como ela mudará a maneira como usamos a Internet?


Chronological Thread  
  • From: Hugo Cerqueira <hrcerq AT disroot.org>
  • To: gnl AT framalistes.org
  • Subject: Re: O que é Web3 e como ela mudará a maneira como usamos a Internet?
  • Date: Sun, 19 Dec 2021 16:26:12 -0300

Olá, @pekman,

Obrigado por compartilhar a matéria. Embora eu não estivesse
familiarizado com o termo "Web3", estive pesquisando sobre blockchains
do ano passado para o início deste ano, e várias vezes esbarrei nessa
ideia de uma Web baseada em tecnologias de blockchain. Na época estava
realizando meu trabalho de conclusão de uma pós e até pensei em tratar
desse tema, embora no fim tenha decidido deixar isso de fora.

Penso que o blockchain é uma ideia fantástica como tecnologia de
certificação, mas não vejo com bons olhos o uso dessa tecnologia como
base para especulação, e menos ainda que essa especulação seja a base
da Web. Essa arquitetura infelizmente já está sabotada.

Primeiramente, vamos lembrar que há uma grande diferença entre
descentralização e distribuição. Descentralização ainda implica
existência de uma hierarquia (basta lembrar que a Web hoje depende de
várias hierarquias, como a de distribuição de nomes de domínio e as
cadeias de certificados).

Distribuição é a autêntica inexistência de hierarquia: todos os nós se
comunicam de maneira autônoma, podendo escolher um ou outro como
intermediário de comunicação sem qualquer prejuízo, sendo assim mais
robusto contra interferências individuais, vigilantismo e censura.

As redes blockchain são distribuídas apenas no papel. Na prática,
tendem a ser descentralizadas. Vejamos os algoritmos mais proeminentes:

**Proof-of-Work** (prova de trabalho): primeiro algoritmo de blockchain
a se popularizar, criado para dar vida ao Bitcoin, e hoje ainda o
algoritmo predominante entre as criptomoedas. O algoritmo de prova de
trabalho favorece a distribuição até um certo ponto (já atingido há
muito tempo), e mesmo a descentralização tem um teto, que são os custos
energéticos e o impacto ambiental. Quando esses limites são atingidos,
vemos novamente a centralização de data centers em países onde a
energia é mais barata ou onde a regulação ambiental é mais tolerante.
Além disso, os custos envolvidos fazem com que apenas poucos grupos
como governos e grandes conglomerados tenham condições de realizar
mineração por conta própria. Isso é totalmente contrário ao que se
pregava inicialmente, de dar mais poder ao cidadão comum.

**Proof-of-Stake** (prova de participação): esse algoritmo começou a
ganhar mais tração posteriormente. Ele surgiu como proposta para o
Peercoin, e algumas outras criptomoedas acabaram adotando também, entre
elas a Ethereum (ainda muito experimentalmente). Esse algoritmo tem uma
proposta mais sustentável, no entanto ele tem uma grave desvantagem: é
mais difícil garantir a descentralização com ele, pois as moedas
precisam ser distribuídas de alguma forma. A abordagem usada pelo
Peercoin e outras é usar inicialmente a prova de trabalho para
distribuir as moedas. Me parece uma abordagem bem frágil, pois é como
mudar a matriz energética do combustível fóssil para energias
renováveis, mas incluir o combustível fóssil como dependência na cadeia
de produção de energia renovável.

A descentralização é frágil pois as hierarquias tendem a formar
"cartéis", que se organizam e negociam entre si, contrariamente aos
interesses da sociedade.

O fantasma da centralização sempre vai nos assombrar. Portanto uma rede
robusta não é aquela na qual apenas não há centralização, mas sim
aquela que está preparada para lidar com as tentativas de centralização
(que certamente existirão). Falar em empoderar o cidadão comum é muito
bonito, mas não serve de nada se for um discurso vazio, descolado da
prática, apelando para soluções que já foram sabotadas.

Penso que os problemas de centralização da Web que enfrentamos hoje não
são apenas um problema da arquitetura da Web propriamente, mas vão
além, para toda a infraestrutura de Internet. Há poucos dias
conversamos no #gnl sobre o framework GNUnet. Pelo que tenho visto
sobre esse framework (o qual achei muito interessante), me parece que
temos que ir mais fundo, nas fundações da Internet para corrigir o
problema da centralização e prevenir contra o seu retorno.

Outro erro a não ser cometido novamente é ignorar as regulações. A
regulação é necessária em uma certa medida. Vemos hoje uma quantidade
cada vez maior de abusos da falta de regulação nas redes. Cibercrimes
de todo tipo são inventados a todo momento, e geralmente as soluções
jurídicas são as mais simplistas e danosas às redes. É preciso pensar
desde o início em como criar uma rede distribuída, mas que ao mesmo
tempo não abra espaço para abusos. Caso contrário, isso será usado como
argumento a favor da centralização.

--
Atenciosamente,

Hugo R. Cerqueira

"A única maneira de lidar com um mundo sem liberdade é tornar-se tão
absolutamente livre que a sua própria existência seja um ato de
rebelião."

(Albert Camus)



Archive powered by MHonArc 2.6.19+.

Top of Page